ATENÇÃO!
A versão seu navegador é insegura!
Este Site, usa recursos avançados de programação, que seu navegador, por ser muito antigo, não consegue processar corretamente.
Para uma melhor experiência, e segurança, siga as recomendações abaixo.

Por favor, atualize seu navegador, ou instale as versões a seguir:

Google Chrome (recomendado) | Firefox | Internet Explorer 10 ou 11

Clique Aqui, e veja porque é importante manter seu navegador sempre atualizado

 

Contato: (11) 4941-2626
(11) 2897-0009
(11) 94770-6190

Setor da construção civil aposta em crescimento.

Setor da construção civil aposta em crescimento.

Minha Casa Minha Vida
Fomento à habitação popular tem impacto imediato na contratação de mão de obra, afirmam representantes de incorporadoras e da indústria da construção

As novas medidas do Programa Minha Casa Minha Vida, anunciadas nesta segunda-feira (6), vão combater o déficit habitacional e impactar diretamente a economia do País. Em entrevista ao Portal Planalto, o presidente da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), Rubens Menin, ressaltou que a contratação de 610 mil novas moradias para 2017 vai movimentar toda a cadeia da construção civil e gerar empregos.

“Não existe crescimento econômico no Brasil sem o crescimento da indústria da construção civil. O setor da construção representa 8% do PIB e é o que mais emprega. Vai ter um impacto muito grande na economia, no desenvolvimento social e evidentemente no emprego”, afirmou Menin. “Esse é um pilar mesmo importante para o País voltar a crescer sustentavelmente, voltar a empregar, criar desenvolvimento social, e a casa própria é desenvolvimento social”, completou.

O potencial do setor para o reaquecimento da economia também é destacado pela vice-presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), Betinha Nascimento. “Hoje o setor que mais agiliza na resposta imediata é a construção civil. Começa na areia, no cimento, na brita. É a cadeia dos 'mil itens'. É  um segmento que movimenta todo o mercado”, afirmou.

Betinha também ressalta que com a contratação das novas unidades habitacionais, a necessidade de novos trabalhadores é imediata. “Além dos trabalhadores que o setor emprega, ainda tem a geração de empregos indiretos.”

Além das novas moradias do programa, houve um reajuste no perfil de renda das famílias beneficiadas pelo Minha Casa Minha Vida, passando de R$ 2.350,00 para R$ 2.600,00 na Faixa 1,5; de R$ 3.600 para R$ 4.000,00 na Faixa 2; e de R$ 6.500,00 para até R$ 9 mil na Faixa 3. O valor do teto dos imóveis nas operações do FGTS também aumenta, podendo chegar até R$ 240 mil, dependendo da região do País.

Para a definição das novas faixas de renda e valor dos imóveis, o governo discutiu ativamente com os representantes do setor, sanando assim os entraves para as contratações que havia no programa habitacional.

“O projeto final foi muito discutido, muito bem pensado, é a solução adequada ao nosso momento. A gente trabalhou muitos gargalos para poder desatar os nós. Então, tudo isso foi discutido e importante, a solução é sustentável”, afirmou Rubens Menin.

Fonte: Portal Planalto e Ministério das Cidades

Newsletter

Contatos

Av Wallace Simonsen, 411 Nova Petrópolis 09771-210 – São Bernardo do Campo/SP

(11) 4941-2626 / 2897-0009 / 94770-6190